O Ano do Centenário é uma ocasião providencial para fazer memória, mais uma vez, dos dons que Deus nos deu na vida e na santidade do Fundador.

“Caríssimos coirmãos,

Além do dever que temos de celebrar dignamente a memória da passagem desta terra ao Céu do nosso fundador, e de manter vivo o interesse ao tema do sínodo dos Bispos sobre a família, quero apresentar também alguma reflexão sobre o espírito missionário que nos deve caracterizar como guanellianos, sobre o exemplo de São Luís Guanella.

Na atual situação mundial é certamente necessário viver o espírito missionário próprio do discípulo que cultiva o desejo de levar o Senhor nas periferias mais necessitadas do nosso mundo e responder às situações de emergência que estão se apresentando por causa da globalização, neste período de instabilidade mundial.

Todos nós estamos convencidos que hoje Pe. Guanella nos impeliria com palavras fortes a responder a esta situação e a fazê-lo com toda a força do nosso carisma, conscientes, como ele era, que nós temos uma marcha a mais para fazer-nos compreender também por outras culturas: a linguagem da caridade e o calor do amor de Deus que nos anima por dentro. Deve ser a linguagem do amor a forma mais apta para chegar ao coração das pessoas. Exatamente: “Pelos caminhos do coração”!

Esta é a estratégia mais essencial para o guanelliano em toda circunstância! Não é somente a ajuda material, dar o pão, que abre os corações das pessoas e em particular dos pobres. Eles necessitam entender que a nossa motivação básica não é somente um sentimento humano de solidariedade, mas procede da Caridade, do amor de Deus.

Certo não faltarão dificuldades, iniciais incompreensões, comparações, riscos a serem enfrentados, decisões a serem assumidas. Nas famílias não há todas rosas e flores. Quanta dificuldade, tentativas fracassadas, pedidos de ajuda nos veem das famílias que conhecemos e que estão perto de nós. Mas isso não é sinônimo de impossibilidade de viver juntos ou demonstração que não vale a pena fazer escolhas deste tipo.

A nossa vida comunitária deve ser exemplo e testemunho para as famílias para dizer-lhes que é possível antes bonito e enriquecedor, viver juntos apesar de tantas ideias diversas, mentalidade, cultura, gostos, tomadas de posições algumas vezes também opostas.

Pe. Guanella escreve às suas irmãs: “Vós não tendes pátria, pois todo o mundo é vossa pátria”, ele não somente entende que o seu carisma de caridade tem os confins do mundo inteiro, mas estimula cada qual, pessoalmente, a sentir qualquer coirmão como seu concidadão, ou melhor, como irmão unido a ele pelo vínculo da caridade de Cristo.

Acolhendo também nós a insistência do Papa para fazer escolhas mais missionárias no nosso apostolado, não tenhamos medo de discutir algumas das nossas posições estáticas em viver a vida religiosa e nos lançar com maior alegria e entusiasmo em algumas iniciativas que deem maior sentido evangelizador à nossa vida.”

 

Pe. Alfonso Crippa – Superior Geral dos Servos da Caridade

Publicado Publicado em Artigos

Segunda, 19 Outubro 2015 15:06

Festa de São Luís Guanella 2015

·         Está chegando o dia de nosso Co-padroeiro São Luís Guanella. Para bem nos prepararmos para esta festa, faremos um tríduo nos dias 21 a 23 de outubro, de quarta-feira a sexta-feira desta semana, na missa das 19h e no dia 24 de outubro, sábado próximo, teremos a celebração em honra ao santo fundador. Participe!

 

Quem foi São Luís Guanella? 

O Pe. Luís Guanella nasceu em Fracíscio de Campodolcino (Itália) no dia 19 de dezembro de 1842, nono filho de Lourenço Guanella e Maria Bianchi, que ao todo somaram 13 filhos. Foi batizado no dia seguinte. Sentiu-se chamado por Deus, desde criança, para ser sacerdote. Sua preocupação com os pobres se manifestava até mesmo enquanto brincava com sua irmã Catarina de fazer sopa de “Mentirinha” com barro para dar aos pobres. Um possível presságio de seu futuro trabalho.
Fez seus estudos no Colégio Gallio e no seminário Diocesano, em Como (Itália). Em 26 de maio de 1866, foi ordenado sacerdote. Desenvolveu seu ministério com zelo, tornando-se um grande apóstolo na evangelização do povo de Deus. Enfrentou incompreensões, perseguições, e dificuldades decorrentes do contexto social e político da época, manteve-se sempre firme em suas convicções de que, como costumava dizer, “soasse a hora da Providência Divina” para iniciar suas obras de caridade.
Trabalhou de 1875 a 1878 com Dom Bosco, em Turim. Onde assumiu diversas tarefas e teve grande experiência com a caridade. Chamado de volta à sua diocese sofreu novas perseguições até ser exilado. Após sua permanência em Como foi enviado em 1881 a Pianello Lario, ali rumou para seu novo destino com o coração alegre. Neste lugar encontrou um pequeno grupo de jovens consagradas, que se dedicavam à assistência de alguns necessitados, crianças órfãs, inválidos e idosos. Com as quais surgiu a congregação das irmãs Filhas de Santa Maria da Providência. Em pouco tempo aumentou o número de irmãs e de assistidas fazendo-se necessário aumentar a casa e expandir as obras.
Em abril de 1886, um pequeno barco deixa Pianello. Dentro, além do barqueiro, havia duas religiosas, algumas meninas órfãs e alguns objetos domésticos. Após uma noite de viagem chegaram a Como, onde foram recebidas pelo próprio Pe. Luís Guanella, que já havia preparado para elas uma sede localizada na Rua Tomaso Grossi. Muitos colaboradores se unem a eles e nasce o ramo masculino, os Padres e Irmãos Servos da Caridade. Todo trabalho era realizado em um espaço denominado “Casa da Providência”, esta que é a base da espiritualidade Guanelliana. Em 1903, com a Bênção e a generosa ajuda de São Pio X, Guanella estende sua obra até Roma. Incansável, com quase 70 anos de idade, viaja para a América do Norte em 1912, fundando ali sua Obra de caridade. Inicia-se em 1909, e em 1912 está pronta a ampla Paróquia de São José. Hoje sede mundial da Santa Cruzada de oração a São José pelos agonizantes.  
Em janeiro de 1915 sai em socorro das vítimas do terremoto de Marsica, hospedando os sobreviventes, órfãos e velhos, nas Casas e igrejas de Roma. Foi esse trabalho que reduziu suas forças e acelerou a sua morte. São Luís Guanella terminou sua vida mortal no dia 24 de outubro de 1915, envolto por seus irmãos e irmãs religiosos, expressou em meio a agonia final suas últimas palavras: “Rezar e sofrer”. Tornando-o mártir da caridade. 
No dia 25 de outubro de 1964, foi declarado Bem-aventurado pelo Papa Paulo VI. Seu corpo foi colocado em uma urna de cristal, no santuário dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, construído por ele. Assume a ordem o Bispo Aurélio Bacciarini. Após anos de oração e proteção do Pe. Guanella é canonizado pelo Papa Bento XVI no dia 23 de outubro de 2011 na Praça de São Pedro – Vaticano.
Os seus filhos e filhas continuam sua Obra na Itália e em outros países, tais como: Suíça, Espanha, Estados Unidos, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai, Israel e em muitas outras nações. O Pe. Guanella definia os horizontes deste mundo com as seguintes palavras: “O mundo inteiro é vossa Pátria”. Seu lema: “Em tudo e com todos os Amor” e carisma: “Revelar ao Mundo o amor misericordioso e providente do Pai”.

Publicado Publicado em Notícias

Nos dias 22 a 24 de julho a comunidade recebeu as relíquias do fundador São Luís Guanella. Um momento de importância e emoção sem igual que preencheram os corações dos paroquianos e despertou em muitos a curiosidade e admiração pela vida e milagres do santo. Ficou a certeza de um novo ardor missionário e um momento marcante na história da comunidade de Santa Teresinha.

 

Mais fotos:

 

Recepção das relíquias:https://www.facebook.com/media/set/?set=a.612349538907598.1073741914.294426960699859&type=3

2º dia do tríduo: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.612717942204091.1073741916.294426960699859&type=3

Despedida das relíquias: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.612717892204096.1073741915.294426960699859&type=3

 

Matéria da REDE VIDA sobre as Relíquias em nossa comunidade: http://redevida.com.br/programa/jctv/paroquia-recebe-reliquias-de-sao-luis-guanella-em-brasilia.html

Publicado Publicado em Fotos

Caríssimos irmãos e irmãs

“Em tudo e com todos o Amor”

     Estamos todos alegres com esta importante visita, seria maravilhoso se pudéssemos dizer para todos, o nosso Pai Fundador virá aqui nos visitar, mas todos sabemos que estamos celebrando em 2015 o centenário de sua partida para a Casa do Pai, então, podemos dizer, suas relíquias virão até nós, elas são autênticas, são partes dele, e como casa guanelliana queremos venerá-las com muito carinho.

     O que virá?  “ex ossibus” são ossos retirados de seu corpo; “ex capsa lígnea” trata-se de um pedaço do caixão onde foi colocado o corpo de são Luís Guanella até o ano de 1964, ano de sua Beatificação; “o livro de orações” livrinho usado pelo Santo em seu incansável rezar, edição de 1911; “o lencinho” autêntico, e que foi usado para enxugar o suor de São Luís em seu leito de morte; “o chapéu de três pontas” ou barrete, usado pelo Santo, símbolo de sua vocação sacerdotal; “os sapatos” símbolo de seu incansável peregrinar, sua vida oferecida em caridade em favor de muitos; “outro livrinho chamado: Vamos ao Pai”, escrito pelo próprio São Luís Guanella, esta edição é de 1927, e nos mostra sua profunda espiritualidade; “um terceiro livrinho intitulado: No mês das flores”, também escrito por ele, com edição de 1926, e mostra a belíssima devoção que São Luís Guanella tinha pela Virgem Santíssima; “carta escrita por são Luís Guanella” datada de 14 de fevereiro de 1901, em que manifesta a sua confiança da Divina Providência, escrita em Milão.

     Toda esta preciosidade estará conosco dias 22, 23 e 24 de Julho próximo, alegre-se conosco, seus filhos, Irmãos e Padres Servos da Caridade, Filhas de Santa Maria da Providência e Cooperadores Guanellianos, mas sinta-se também parte integrante desta família.

     São Luís Guanella, com certeza vai interceder muitas graças e bênçãos para você, sua família, nossa paróquia e nossa cidade. Anunciaremos em breve a programação destes dias de grande júbilo. Contamos com a participação fervorosa da comunidade de Santa Teresinha.

 

     Com nosso abraço fraterno, padres, irmãs e cooperadores.

Publicado Publicado em Notícias

A Penitenciaria Apostólica por especial mandato do Santo Padre o Papa Francisco, e para recordar a benevolência paternal, concede com satisfação um ano jubilar tendo anexa a indulgência plenária, com as seguintes condições: (confissão sacramental, comunhão eucarística e orações segundo as intenções do sumo pontífice), àqueles fieis que excluem qualquer afeto pelo pecado e sejam animados de sincera caridade; indulgência será querida uma vez ao dia e aplicável como sufrágio também as almas dos fieis ainda mantidas no purgatório:

a) Cada vez que participam de celebrações jubilares oportunamente definidas;

b) Cada vez que visitam em forma de peregrinação as igrejas jubilares, indicadas como tais na carta de solicitação (como é o caso de nossa Paróquia Santa Teresinha e São Luís Guanella), e ali participarão de qualquer sagrada função, ou ao menos estarão na presença da imagem ou relíquias de São Luís Guanella por um adequado tempo em devota meditação e concluindo ao fim com a oração do Pai Nosso, o Credo e com a invocação da bem-aventurada Virgem Maria e São Luís Guanella. Os idosos, doentes e todos os que não estão em condições de sair de casa por grave motivo, poderão igualmente receber a indulgência Plenária, manifestando sincero arrependimento pelos próprios pecados e a intenção de realizar, assim que possível, as três condições básicas, se unirão espiritualmente às celebrações jubilares e às peregrinações e oferecerão ao Senhor misericordioso orações, os próprios sofrimentos e as dificuldades da própria vida.

A fim de que a possibilidade de obter o perdão divino através da mediação da Igreja, possa atuar-se mais facilmente por meio da caridade pastoral, esta penitenciária pede com insistência que os sacerdotes da congregação Servos da Caridade, se ofereçam com espírito pronto e generoso, a celebração da penitência e que seguidamente levem aos enfermos a santa comunhão.

O presente decreto terá validade por todo o ano jubilar ( 24 de outubro de 2014 a 19 de dezembro de 2015). Não obstante qualquer posição contrária.

Cardeal Mauro Piacenza
Penitenciário-Mor


O Catecismo da Igreja Católica esclarece sobre as Indulgências que podem ser alcançadas:

§1479 – Uma vez que os fiéis defuntos em vias de purificação também são membros da mesma comunhão dos santos, podemos ajudá-los obtendo para eles indulgências, para libertação das penas temporais devidas por seus pecados.

§1498 – Pelas indulgências, os fiéis podem obter para si mesmos e também para as almas do Purgatório, a remissão das penas temporais, seqüelas dos pecados.

§1032 – A Igreja recomenda também as esmolas, as indulgências e as obras de penitência em favor dos defuntos… “Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer nossas orações por eles.” (S. João Crisóstomo, Hom. In 1Cor 41,5)

§1471 – A doutrina e a prática das indulgências na Igreja estão estreitamente ligadas aos efeitos do Sacramento da Penitência.
“Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida aos pecados já perdoados quanto à culpa, que o fiel, devidamente disposto e em certas e determinadas condições, alcança por meio da Igreja, a qual, como dispensadora da redenção, distribui e aplica, com autoridade, o tesouro das satisfações de Cristo e dos Santos” (Paulo VI, Const. Apost., Indulgentiarum doctrina, 2)
“A indulgência é parcial ou plenária, conforme libera parcial ou totalmente da pena devida pelos pecados (Indulgentiarum Doctrina,2 ). Todos os fiéis podem adquirir indulgências (…) para si mesmos ou para aplicá-las aos defuntos” (CDC, cân 994).

§1472 – As penas do pecado. Para compreender esta doutrina e esta prática da Igreja, é preciso admitir que o pecado tem dupla conseqüência. O pecado grave priva-nos da comunhão com Deus e, consequentemente, nos torna incapazes da vida eterna; esta privação se chama pena eterna do pecado. Por outro lado, mesmo o pecado venial, acarreta um apego prejudicial às criaturas que exige purificação, quer aqui na terra quer depois da morte, no estado chamado purgatório. Esta “purificação” liberta da chamada “pena temporal” do pecado.
Publicado Publicado em Notícias

Domingo, 09 Novembro 2014 22:00

Festa de São Luís Guanella 2014

Publicado Publicado em Fotos

Foi celebrada a abertura do ano de centenário da morte de São Luís Guanella na paróquia Santa Teresinha e São Luís Guanella. Diversos fieis se reuniram nas noites dos dias 23, 24 e 25 de outubro para um tríduo preparatório e no dia 26 de outubro foi abençoada a nova imagem do santo que ficará exposta para a veneração dos devotos na capela da comunidade e se celebrou uma missa que marcou o início deste ano festivo para a família guanelliana.

Durante o Tríduo foram apresentados diversos pensamentos de São Luís Guanella. A espiritualidade Guanelliana foi concretizada por meio de doações de produtos de limpeza e higiene que serão repassadas para o núcleo de Apoio aos Doentes - NAD. Na liturgia do dia 26, que encerrou as festividades, as leituras e a homilia do Pe. Adelmo ressaltaram a importância da caridade na vida do cristão, pois é por meio dela que se externa o bem que está no coração do homem.

São Luís Guanella passou sua vida na dedicação ao amor para com todos, apresentando ao mundo que todos os seres humanos devem ter sua dignidade valorizada. Segue-se agora um ano marcado pelos traços deste grande homem, em 2015 se comemora o centenário de sua morte e para bem celebrá-lo a Igreja convida seus filhos espirituais a se espelharem nele e mostrarem que sem amor nada se faz de bom.
 
Publicado Publicado em Notícias

Página 1 de 2